Trekking e Aventura (Pico, Flores e Corvo) | 2023

À Conquista dos Grandes Trilhos do Atlântico

esgotada

Spots Fotográficos

Montanha do Pico | Lagoas do Pico | Fajãzinha | Alagoinha (Poço da Ribeira do Ferreiro) |Cascata do bacalhau | Lagoas das Flores | Caldeirão do Corvo | Trilhos e Miradouros

Adicionar favoritos Remover dos favoritos

No primeiro dia, aterramos no aeroporto da Ilha do Pico e vamos diretos para o nosso hotel, onde deixaremos as malas e faremos o reconhecimento da localidade da Madalena para esticar as pernas e comer qualquer coisa. Festejamos à noite no Cela, a brindar ao começo desta grande viagem.
O segundo dia começa com um aquecimento de categoria, com direito a grandes paisagens e o mar sempre à vista, num percurso maioritariamente descendente, com um final bonito. Temos que ganhar calo para a grande aventura e preparar a caixa (pulmões). Havendo tempo e vontade, faremos um segundo trilho, num percurso florestal ladeado por grandes cedros e uma série de espécies endémicas da ilha. Regressamos à Madalena para desfrutar de um merecido repasto e finalizamos o dia a brindar no Cela, porque não? :)
Guardamos o terceiro dia no Pico para um passeio de carro por alguns dos locais mais bonitos, onde iremos parando para pequenas incursões pela natureza, sempre a passo, numa descoberta relaxada, a ritmo de meditação. Estamos a guardar a energia toda para mais tarde. Jantamos cedo, muito cedo… temos que abastecer de comida e deitar à hora das crianças… a aventura da ascenção ao ponto mais alto de Portugal aguarda-nos!

Quarto dia: temos que estar à 1h30 da manhã, o mais tardar, na Casa da Montanha. Este é o nosso maior desafio e aquele porque tanto “suspirámos”. O nosso destino encontra-se a 2351 metros de altitude, e é lá em cima, bem pertinho do céu :) que, com sorte, iremos assistir ao deslumbrante nascer do Sol. À nossa volta, uma vista de 360 graus sobre o infinito do Atlântico e das restantes 4 ilhas do grupo central: Faial, São Jorge, Graciosa e Terceira. A subida demora entre 4 horas e meia a 5 horas e meia. Dependendo das condições atmosféricas, a “estadia” no topo pode variar entre 15 a 30 minutos. O regresso é feito logo a seguir, numa descida que pode variar entre 4 a 5 horas e meia, com chegada prevista mais ou menos a tempo da hora de almoço (após um merecido banho no hotel).
O resto do dia está reservado para relaxar, descansar, dormir, ou livre para quem ainda tiver forças para dar um giro até à Madalena ou para ir visitar algum local em particular.

No quinto dia partimos para a Ilha das Flores, o nosso próximo grande destino, o ponto mais ocidental da Europa, marcado pelo Ilhéu de Monchique. Vamos dar um passeio por Santa Cruz das Flores, a capital do concelho, e partimos de seguida para o outro lado da ilha, onde ficaremos hospedados num espaço bonito e tranquilo, com vista para o mar. Está claro que vamos abastecer o repasto com o típico folar da Ilha das Flores (em tempo de Páscoa) e com outras iguarias (sólidas e líquidas) que marcam esta época.

O sexto dia é dedicado ao Corvo, a Ilha que, em conjunto com as Flores, forma o grupo Ocidental do Arquipélago dos Açores. É a mais pequena ilha do Arquipélago e fica a cerca de 20 km da sua “irmã”. Tem 6,24 km de comprimento, 4 km de largura e tem apenas 430 habitantes. Fica sensivelmente à mesma distância do Canadá e de Portugal Continental. Outra curiosidade é que a Ilha do Corvo tem mais vacas do que habitantes, um dos poucos locais do mundo em que os humanos estão em minoria. ;)

Partimos de manhã num semi-rígido de alto mar, um barco super rápido talhado para esta grande travessia. Serão cerca de 24 km a deslizar pela crista das ondas, num sprint oceânico com garantias de muita adrenalina. Começamos a nossa visita ao Corvo com uma caminhada pelo interior do vulcão que deu origem à ilha do Corvo. É uma rota circular, com cerca de 5 km, que nos vai levar do topo do Caldeirão até ao seu interior, por entre a flora e as lagoas que compõem o núcleo desta grande cratera. Ao longo do trilho vamos encontrar outros residentes habituais, gado bovino, equino e caprino.

Voltamos até ao cais a pé, num trilho que atravessa a ilha de Norte a Sul, por caminhos de cultivo e pastoreio, canadas, muros de pedra, flora endémica, passando ainda por um segundo cone vulcânico, e com vistas fantásticas sobre a Vila do Corvo e a Ilha das Flores.

Regressamos à Ilha das Flores e chegamos ao hotel já ao final da tarde, prontos para um bom jantar. É altura de relaxar, amanhã vai ser outro longo dia.

A manhã do sétimo dia está reservada para acordar os mais dorminhocos… uma atividade de canyoning abre as portas a uma sequência de cascatas, que iremos descer com equipamento específico, em rappel. A maior delas tem “apenas” 18 metros de altura… nada de mais. ;) Não se assustem, é uma atividade opcional, para os que insistirem “isso não é para mim”, conseguimos arranjar algo menos radical… uma aula de croché. :D

Concluída a atividade, partimos em direção a um dos grandes colossos da Ilha das Flores. Um pequeno percurso abre-nos o caminho e, tal e qual uma cortina, desvenda-se diante de nós esta grande parede de água. Os mais corajosos podem reduzir a vestimenta e dar um mergulhinho… fresquinho.

Regressamos, agora pelo interior da ilha, e passamos pelo grande aglomerado de lagoas que povoam o seu interior… a Lagoa Negra, a Lagoa Comprida, a Lagoa Branca, a Lagoa Seca, a Lagoa Rasa e a Lagoa Funda. Dependendo das condições atmosféricas, poderemos visitar todas ou só algumas, umas de carro, outras a pé, caminhando por trilhos escondidos que nos levam a recantos menos usuais.

Gerimos o tempo de acordo com os caprichos do grupo. Queremos aproveitar ao máximo! Só mesmo o despertador do estômago a assinalar a hora da janta é que nos irá mover de regresso à base.

Oitavo dia. Por esta altura já somos meio açoreanos… as vacas a barrar a estrada já não nos causam surpresa, as flores que cobrem os campos passaram a ser companhia regular, a vista constante do mar torna-se um vício, as caminhadas já não parecem tão longas e o ambiente bucólico, feito para desacelerar, parece ter-se entranhado dentro de nós.

Começamos o dia a preparar a marmita para um dia grande, maior do que o habitual. Enquanto o Sol ilumina o lado Este da ilha, vamos aproveitar para visitar alguns dos locais mais interessantes do lado sudeste da ilha, passando por miradouros, fajãs, moinhos e pela segunda maior localidade da ilha, a Laje das Flores, mais conhecida de nós pelo trágico acidente de 2019, quando o mau tempo destruiu o único porto comercial da ilha, localizado nessa vila. Conduzimos ao ritmo do Sol, ansiosos por chegar ao outro lado e a preparar-nos mentalmente para aquilo que nos espera.

Um novo trilho leva-nos a percorrer algumas das paisagens mais espetaculares da Ilha das Flores. Por entre altos e baixos, vales, montanhas, falésias e cascatas, vamos percorrer a pé um grande pedaço da costa oeste, passando ainda por algumas localidades.

A vista panorâmica sobre a lindíssima Fajãzinha, indica-nos que algo de ainda mais espetacular se está a aproximar. Um desvio leva-nos por um trilho escondido, por entre um arvoredo cerrado, caminhando por lajes de pedra em direção a um local misterioso. E eis que se abrem as portas do paraíso, naquela que é certamente uma das paisagens mais bonitas de Portugal. Um sem número de cascatas caiem de uma enorme falésia verdejante para uma lagoa envolta por grandes árvores, num espetáculo visual difícil de descrever. A primeira reação é normalmente um “wowwww”… a segunda é algo parecido… “wowwww”… e assim se vai mantendo, em cada perspetiva nova que se vai descobrindo. Para os mais dotados para o yoga e meditação, é este o local de eleição. Por aqui ficaremos algum tempo, a observar, a descobrir, a descansar, a fotografar, a meditar… a sonhar.

Para festejar o último dia, antes do regresso a Portugal, vamos aproveitar para fazer um grande jantar de despedida.

No nono e último dia, a manhã é reservada para fazer as malas e livre para quem quiser desfrutar das últimas horas na ilha das flores, como por exemplo dar um mergulho numa nas piscinas naturais.

Ler mais

Aeroportos

Porto/Lisboa > Pico >
Ponta Delgada/Terceira > Santa Cruz das Flores
Ponta Delgada/Terceira > Porto/Lisboa

Destinos

Ilha do Pico
Ilha das Flores
Ilha do Corvo

Fotografia

Fotografia de Natureza
Paisagem
Fotografia de Ação e Aventura
Retrato

Alojamento

Hotel e/ou Turismo de Habitação

Transporte

Carrinha privada
Lancha a motor
Ferry

Esforço

Médio. Adequado a quem tenha prática regular de caminhada, com trekkings ocasionais em montanha. As distâncias variam entre os 6 e os 15 km, com desníveis que vão de ligeiro a acentuado (caso da Montanha do Pico).

Nº Participantes

Min 6, Máx 12

Trekking e Aventura (Pico, Flores e Corvo) | 2023

Programa da viagem

Aterramos no aeroporto da Ilha do Pico e vamos diretos para o nosso hotel, onde deixaremos as malas e faremos o reconhecimento da localidade da Madalena para esticar as pernas e comer qualquer coisa. Festejamos à noite no Cela, a brindar ao começo desta grande viagem.

Noite em Aparthotel, Madalena (Pico)

Começa com um aquecimento de categoria, com direito a grandes paisagens e o mar sempre à vista, num percurso maioritariamente descendente, com um final bonito. Temos que ganhar calo para a grande aventura e preparar a caixa (pulmões). Havendo tempo e vontade, faremos um segundo trilho, num percurso florestal ladeado por grandes cedros e uma série de espécies endémicas da ilha. Regressamos à Madalena para desfrutar de um merecido repasto e finalizamos o dia a brindar no Cela, porque não?

Noite em Aparthotel, Madalena

Guardamos o terceiro dia para um passeio de carro por alguns dos locais mais bonitos, onde iremos parando para pequenas incursões pela natureza, sempre a passo, numa descoberta relaxada, a ritmo de meditação. Estamos a guardar a energia toda para mais tarde. Jantamos cedo, muito cedo... temos que abastecer de comida e deitar à hora das crianças... a aventura da ascenção ao ponto mais alto de Portugal aguarda-nos!

Noite em Aparthotel, Madalena

Temos que estar à 1h30 da manhã, o mais tardar, na Casa da Montanha. O nosso destino encontra-se a 2351 metros de altitude, e é lá em cima, bem pertinho do céu :) que, com sorte, iremos assistir ao deslumbrante nascer do Sol. A ascenção ao Piquinho (o ponto mais alto do Pico) demora entre 4 horas e meia a 5 horas e meia. Dependendo das condições atmosféricas, a "estadia" no topo pode variar entre 15 a 30 minutos. O regresso é feito logo a seguir, numa descida que pode variar entre 4 a 5 horas e meia, com chegada prevista mais ou menos a tempo da hora de almoço (após um merecido banho no nosso alojamento).
O resto do dia está reservado para relaxar, descansar, dormir, ou livre para quem ainda tiver forças para dar um giro até à Madalena ou para ir visitar algum local em particular.

Noite em Aparthotel, Madalena

Partimos para a Ilha das Flores, o nosso próximo grande destino, o ponto mais ocidental da Europa, marcado pelo Ilhéu de Monchique. Vamos dar um passeio por Santa Cruz das Flores, a capital do concelho, e partimos de seguida para o outro lado da ilha, onde ficaremos hospedados num espaço bonito e tranquilo, com vista para o mar. Está claro que vamos abastecer o repasto com o típico folar da Ilha das Flores (em tempo de Páscoa) e com outras iguarias (sólidas e líquidas) que marcam esta época.

Noite em turismo de habitação, nas Fajã Grande (Flores)

Este dia é dedicado ao Corvo, a Ilha que, em conjunto com as Flores, forma o grupo Ocidental do Arquipélago dos Açores.

Partimos de manhã num semi-rígido de alto mar. Serão cerca de 24 km a deslizar pela crista das ondas, num sprint oceânico com garantias de muita adrenalina. Começamos a nossa visita ao Corvo com uma caminhada pelo interior do vulcão que deu origem à ilha do Corvo. É uma rota circular, com cerca de 5 km, que nos vai levar do topo do Caldeirão até ao seu interior, por entre a flora e as lagoas que compõem o núcleo desta grande cratera. Ao longo do trilho vamos encontrar outros residentes habituais, gado bovino, equino e caprino.

Voltamos até ao cais a pé, num trilho que atravessa a ilha de Norte a Sul, por caminhos de cultivo e pastoreio, canadas, muros de pedra, flora endémica, passando ainda por um segundo cone vulcânico, e com vistas fantásticas sobre a Vila do Corvo e a Ilha das Flores.

Regressamos à Ilha das Flores e chegamos ao hotel já ao final da tarde, prontos para um bom jantar. É altura de relaxar, amanhã vai ser outro longo dia.

Noite em turismo de habitação, nas Fajã Grande (Flores)

Começamos o sétimo dia com uma atividade de canyoning, a fazer rappel por uma sequência de impressionantes cascatas que iremos descer com equipamento específico. A maior delas tem "apenas" 18 metros de altura... nada de mais. ;) Não se assustem, é uma atividade opcional, para os que insistirem "isso não é para mim", conseguimos arranjar algo menos radical... uma aula de croché. :D

Concluída a atividade, partimos em direção a um dos grandes colossos da Ilha das Flores. Um pequeno percurso abre-nos o caminho e, tal e qual uma cortina, desvenda-se diante de nós esta grande parede de água. Os mais corajosos podem reduzir a vestimenta e dar um mergulhinho... fresquinho.

Regressamos, agora pelo interior da ilha, e passamos pelo grande aglomerado de lagoas que povoam o seu interior... a Lagoa Negra, a Lagoa Comprida, a Lagoa Branca, a Lagoa Seca, a Lagoa Rasa e a Lagoa Funda. Dependendo das condições atmosféricas, poderemos visitar todas ou só algumas, umas de carro, outras a pé, caminhando por trilhos escondidos que nos levam a recantos menos usuais.

Gerimos o tempo de acordo com os caprichos do grupo. Queremos aproveitar ao máximo! Só mesmo o despertador do estômago a assinalar a hora de jantar é que nos irá mover de regresso à base.

Noite em turismo de habitação, nas Fajã Grande (Flores)

Começamos o dia a preparar a marmita para um dia grande, maior do que o habitual. Enquanto o Sol ilumina o lado Este da ilha, vamos aproveitar para visitar alguns dos locais mais interessantes do lado sudeste da ilha, passando por miradouros, fajãs, moinhos e pela segunda maior localidade da ilha, a Laje das Flores, mais conhecida de nós pelo trágico acidente de 2019, quando o mau tempo destruiu o único porto comercial da ilha, localizado nessa vila.

Um novo trilho leva-nos a percorrer algumas das paisagens mais espetaculares da Ilha das Flores. Por entre altos e baixos, vales, montanhas, falésias e cascatas, vamos percorrer a pé um grande pedaço da costa oeste, passando ainda por algumas localidades.

A vista panorâmica sobre a lindíssima Fajãzinha, indica-nos que algo de ainda mais espetacular se está a aproximar. Um desvio leva-nos por um trilho escondido, por entre um arvoredo cerrado, caminhando por lajes de pedra em direção a um local misterioso. E eis que se abrem as portas do paraíso, naquela que é certamente uma das paisagens mais bonitas de Portugal. Um sem número de cascatas caiem de uma enorme falésia verdejante para uma lagoa envolta por grandes árvores, num espetáculo visual difícil de descrever. Por aqui ficaremos algum tempo, a observar, a descobrir, a descansar, a fotografar, a meditar... a sonhar.

Para festejar o último dia, antes do regresso a Portugal, vamos aproveitar para fazer um grande jantar de despedida.

Noite em turismo de habitação, nas Fajã Grande (Flores)

A manhã é reservada para fazer as malas e livre para quem quiser desfrutar das últimas horas na ilha das flores, como por exemplo dar um mergulho numa das inúmeras piscinas naturais.

Voo Portugal continental.

LIDER DA VIAGEM

Gonçalo Figueiredo
O acompanhamento pelo fotógrafo/viajante que idealizou a experiência fotográfica para o grupo, organizou toda a logística em conjunto com o Fotoadrenalina e parceiros, mas sobretudo vai estar contigo todos os dias para te levar aos lugares mais incríveis deste destino.

Mais detalhes sobre a viagem

Transportes

INCLUÍDO:

Todos as deslocações dentro das ilhas.

NÃO INCLUÍDO:

Todos os aviões do continente para as ilhas e entre ilhas.

Atividades

INCLUÍDO:

Todas as atividades, com excepção do canyoning na Ilha das Flores.

NÃO INCLUÍDO:

Canyoning na ilha das Flores
Nota sobre a atividade de canyoning, o preço ronda 60€ por pessoa e inclui:
Monitor;
Todo o equipamento individual (incluindo calçado);
Seguro de atividade;
Lanche;
Fotografias.

ALOJAMENTO

INCLUÍDO:

9 dias e 8 noites em Hotel e/ou Turismo de Habitação.

NÃO INCLUÍDO:

Não aplicável.

Alimentação

INCLUÍDO:

Todos os pequenos almoços, excluindo o do dia da partida de Portugal Continental.

NÃO INCLUÍDO:

9 almoços
8 jantares

Trekking e Aventura (Pico, Flores e Corvo) | 2023

Sobre o destino:

Moeda

Euro

MeteoROLOGIA

14º a 18º no Pico
13ª a 16ª nas Flores e Corvo

PASSAPORTE

Basta Cartão de Cidadão para cidadãos da União Europeia.

Visto

Não é necessário visto para os cidadãos Portugueses.
Os cidadãos que não tenham nacionalidade Portuguesa devem verificar nas embaixadas do seu país.
(informação da responsabilidade dos participantes).

Fuso HORÁRIO

– 1 hora que Portugal Continental.

Saúde

Deve ter sempre as suas vacinas em dia.
O seguro de viagem é obrigatório (realizado pelo Fotoadrenalina).
Informações sobre Covid-19 serão dadas mais perto da viagem.
Informe a organização de algum problema de saúde que considere importante.
Leve “a farmácia” que considerar útil para este destino e para si.
Aconselhamos a levar consigo o Cartão Europeu de Seguro de Doença. Se ainda não o tem deve pedir http://www.seg-social.pt/pedido-cartao-europeu-seguro-doenca

Segurança

É um destino seguro, no entanto aconselha-se os cuidados normais de segurança, sobretudo com o material fotográfico, documentação e dinheiro.

TelecomUNICAÇÕES

Portugal +351
Há sempre rede, excepto nas caminhadas em locais mais remotos.
Contacto do líder – Gonçalo Figueiredo – 00351 96 536 49 15, grave-o no telemóvel.

As 14 perguntas que devo ler antes de viajar

São para todos os que gostam de viajar. Apenas juntamos à viagem a oportunidade de fotografar.

Não, mas gostamos de juntar à viagem a oportunidade e o tempo para fotografar. Podes fotografar com um telefone ou com uma câmara reflex, mas queremos que registes o teu olhar para recordares e partilhares. É uma viagem com oportunidades fotográficas, onde podes também aprender, praticar e partilhar dúvidas, mas não é um workshop em viagem.

Partimos do princípio que sim, mas depende mais de ti, do que de nós. Deves ter a capacidade de aceitar em viagem o imprevisto, o cansaço, as adversidades e relativizar os problemas que possam surgir. Deves sempre tratar bem os outros participantes e nunca falar mal deles. É importante gostares de conviver com pessoas, já que vais viver com elas 24 horas por dia. Deves ter sentido de humor, porque ajuda a tornar uma situação negativa em positiva. No entanto, 99% das vezes a viagem corre bem.

Varia, os grupos são pequenos dentro das 6 a 12 pessoas. Como vais com um líder, temos de ter um mínimo de 6 pessoas.

No item da reserva, colocas o teu nome, mail e telefone e nós enviamos-te um formulário com todos os dados que precisamos para seguires viagem.

Podes comprar tu ou o Fotoadrenalina, através dos nossos parceiros (agência de viagens). Lembramos que há vantagens em comprar com os nossos parceiros, já que se houver algum problema antes ou durante a viagem, não tens de te preocupar, a agência de viagens trata de tudo. A agência de viagens cobra uma pequena taxa, mas compensa já que tens sempre o apoio e a segurança deles na gestão do voo.

Quando a viagem for confirmada pela equipa do Fotoadrenalina. Para isso, precisamos de um número mínimo de participantes, que são 6 pessoas. A partir da confirmação da viagem, enviamos um mail a todos os inscritos com a indicação dos horários dos voo do grupo e o preço do voo. Podes comprar por ti ou pelos nossos parceiros, mas têm de coincidir a hora de chegada ao destino e hora de partida do destino. Se não coincidir, as deslocações do aeroporto e o encontro com o grupo fica a cargo do participante.

Depende dos países e dos locais. Gostamos de dar “boa cama”, mas nem sempre há disponível a cama ideal. Pedimos sempre quartos com camas separadas e com quarto de banho no quarto, mas em locais mais remotos, por vezes as condições são diferentes e temos de ter a capacidade de aceitar que as condições não são iguais em todos os países do mundo. Se achas que queres mais privacidade e conforto quando vais dormir, podes pedir quarto individual, mas terás um custo extra associado (pede cotação ao Fotoadrenalina).

Após a inscrição e do formulário preenchido deves fazer o pagamento de 10% do valor total da viagem (excluindo os voos) Assim que a viagem seja confirmada pelo Fotoadrenalina, com o número mínimo, pedimos a todos os inscritos mais 15% do valor total e passamos a accionar os voos. Os restantes 75% do valor total é pedido 1 mês antes da data da viagem.

Sim, em todas as viagens é obrigatório fazer um seguro em viagem para o grupo, que é cobrado à parte. O seguro em viagem não paga tudo ou qualquer coisa (ver as condições da apólice no item do seguro em viagem). É preciso sempre o relatório do incidente e o comprovativo da despesa. O líder avisará a equipa do Fotoadrenalina em Portugal, que entrará em contacto com a seguradora para fazer todo o acompanhamento (não precisas de te preocupar). O seguro em viagem do Fotoadrenalina incluí situações de COVID-19, mas não de outra pandemia. Ao fazeres para as datas da viagem, estás também a fazer seguro de cancelamento da viagem, mesmo em situações de dares positivo ao Covid-19, antes da viagem. Ou outras situações graves que te impeçam de ir na viagem (Ver quais as condições).

Cada país e cada viagem têm condições diferentes de entrada, mas é enviada informação para cada viagem aos participantes após a inscrição. Há seguro de cancelamento de viagem e durante a viagem com condições específicas para o covid-19.

Podes desistir até a viagem estar confirmada e serão devolvidos os 10% pagos. Quando a viagem está confirmada, vamos pedir mais 15% e vamos também accionar os voos. A partir daqui será mais difícil reaveres o teu dinheiro, visto os voos são não reembolsáveis e já temos acordos com os parceiros (alojamento, atividades, etc). Os 25% já pagos ao Fotoadrenalina, só devolvemos em voucher, com validade de 1 ano para gastares em qualquer viagem. Os restantes 75% da viagem só são pagos 1 mês antes da viagem, mas se desistires após essa data, serão cobrados todos os serviços de terceiros já pagos. O restante não cobrado pelos parceiros será devolvido em voucher para gastares no prazo de 1 ano.

Todos os valores pagos serão devolvidos se for o Fotoadrenalina a desistir da viagem. Se a viagem for cancelada por motivos externos ao Fotoadrenalina, por exemplo em caso de uma pandemia, guerras, greves ou pelas entidades oficiais dos países, tentaremos com os parceiros a devolução do dinheiro, mas se não for possível, emitimos um voucher nos valores não cobrados com validade de 1 ano. Aconselhamos a todos os participantes fazerem seguro de cancelamento de viagem (ver condições).

É melhor sempre enviar um mail para ficar registado e por escrito: info@fotoadrenalina.com Se for algo simples e/ou urgente podes enviar mensagem pelo WhatsApp ou ligar 916222009.

Sabemos que o dia em que deixemos de reclamar, será um dia triste para a humanidade, por isso tens um livro oficial de reclamações, que podes accionar indo ao rodapé do site e clicar no “livro de reclamações”.

OUTROS DESTINOS que também vais gostar...

Viagens Fotoadrenalina

RESERVA DE VIAGEM

Trekking e Aventura (Pico, Flores e Corvo) | 2023

Valor para reservar: (10% do valor total) 98,00€
Valor total: valor da experiência: 980,00€
×